José Roberto Aguilar: “Mulher e Flor”

José Roberto Aguilar (São Paulo, São Paulo, 1941)

"Pintor, videomaker, performer, escultor, escritor, músico e curador. Autodidata, integra o movimento performático-literário Kaos, em 1956, com Jorge Mautner (1941) e José Agripino de Paula (1937-2007). Em 1963, expõe pinturas na 7ª Bienal Internacional de São Paulo. Considerado um dos pioneiros da nova figuração no Brasil, participa da mostra Opinião 65, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), em 1965. Nessa época, passa a pintar com spray e pistola de ar comprimido. Vive em Londres, entre 1969 e 1972, e em Nova York, entre 1974 e 1975, época em que inicia suas experimentações com vídeo. Volta a morar em São Paulo em 1976. No ano seguinte, participa da 14ª Bienal Internacional de São Paulo com a instalação Circo Antropofágico Ambulante Cósmico e Latino-Americano Apresenta Esta Noite: A Transformação Permanente do Tabu em Totem, em que expõe 12 monitores de TV no palco do Teatro Ruth Escobar. Em 1981, cria o grupo musical Banda Performática e lança o livro A Divina Comédia Brasileira. Torna-se discípulo do líder espiritual indiano Rajneesh, em 1983, e começa a assinar suas telas como Aguilar Vigyan. Em 1989, realiza a performance Tomada da Bastilha, com a participação de 300 artistas, assistida por cerca de 10 mil pessoas em São Paulo. Nos anos 1990, faz pinturas em telas gigantes e esculturas em vidro e cerâmica. De 1995 a 2002, é diretor do espaço cultural Casa das Rosas, em São Paulo. Em 2003, Aguilar é nomeado representante do Ministério da Cultura na capital paulista." (Fonte: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa4002/jose-roberto-aguilar).

Ficha Técnica

Atribuído a/assinado por: Aguilar
Dimensões: 97cm x 130cm aproximadamente 
Técnica: óleo sobre tela

Diagnóstico inicial - resumo

Sujidade
Manchas
Perda de camada pictórica
Rasgos
Borda inferior fragilizada
Tachas e pregos oxidados
Chassis inapropriado (sem cunhas)

Fotos - detalhes

Apêndice - fotos complementares (exemplificação de procedimentos)

Pré-consolidação
Desmontagem e planificação das bordas
Consolidação final
Limpeza e higienização do verso
Sutura, reforço de bordas e remendos
Preparo do novo chassis e fixação
Limpeza e higienização
Aplicação de filme protetor de isolamento
Estucagem e texturização
Reintegração pictórica mimética diferenciada
Aplicação de filme protetor final

Registro comparativo

Antes
Depois

Registro fotográfico pós intervenção

Resumo dos processos de conservação e restauro efetuados

Intervenção no suporte
Limpeza e higienização (aspirador de pó com filtro HEPA e pó de borracha)
Planificação (calor)
Execução de 3 suturas (Butil-Cianoacrilato e fios coletados)
Execução de 2 remendos (Beva filme e tecido Panamá 100% poliéster)
Reforço da borda inferior  (Beva filme e tecido Panamá 100% poliéster)
Preparação do chassis e cunhas (ilhoses de aço inoxidável e cordão encerado)
Fixação da tela no chassis (grampos de aço inoxidável)
Ajuste das cunhas
 
Intervenção na pintura
Pré-consolidação (água deionizada, álcool etílico e cola PVA Lineco)
Consolidação final (Beva 371, xileno e espátula térmica)
Remoção de sujidade (Triton x-100 e água deionizada)
Aplicação de filme de isolamento (Paraloid B72 diluído em xileno)
Estucagem e texturização (Modostuc)
Reintegração pictórica mimética diferenciada (pigmentos Maimeri, Pébéo Fragonard e Sennelier, Paraloid B72 e xileno)
Aplicação de filme protetor final (Paraloid B72 diluído em xileno)

Condições ambientais para melhor conservação posterior

Temperatura - 20º a 25º C (evitar variações)
Umidade relativa - 45% a 60% (evitar variações)
Iluminação - 5lux a 50lux (evitar variações)
Limpeza - trincha macia e seca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »